Ducha e exame médico ajudam a evitar a transmissão de doenças

Com as temperaturas começando a subir, tudo o que a gente mais deseja é dar um mergulho refrescante na piscina.  Para quem tem piscina residencial, em casa ou no prédio, não há obrigação legal quanto às normas de higiene dos banhistas. O recomendável é que os usuários sempre tomem uma ducha antes de entrar na piscina para eliminar impurezas que estão no corpo e que podem afetar a qualidade da água.

 Já no caso das piscinas coletivas, como clubes e academias, tomar uma ducha é uma exigência legal seguida à risca.  Além disso, para preservar a saúde dos frequentadores da piscina, o banhista precisa fazer exame médico regularmente.  Não necessariamente o  exame vai evitar a transmissão de micoses ou outras doenças de pele para outros usuários.

O problema não é água da piscina – o tratamento químico com cloro  combate os microorganismos que podem causar doenças. O exame é importante para evitar que banhistas com problemas de pele contaminem outro banhistas em lugares com água parada, como o lugar de lavar os pés, o entorno da piscina e até mesmo o vestiário.

Independente do tipo de piscina, aqui vai uma dica importante: não frequente a piscina se estiver com alguma irritação na pele, ferida aberta, micose ou outra situação. Embora o cloro seja eficaz contra a maioria dos micro-organismos, alguns apresentam maior resistência, o que pode fazer com levem mais tempo para serem inativados. Até isso acontecer, pode ocorrer a infecção e ninguém quer que isto aconteça, não é?.

Fonte: Piscina sem lágrimas