Seleção brasileira de polo aquático pode contar com diversos estrangeiros

 

 A última vez que o Brasil participou da modalidade, em olimpíadas, foi em 1984, nos jogos olímpicos de Los Angeles. De lá pra cá, o esporte vêm sofrendo constantemente com a falta de organização, estrutura e profissionalização. Em 2016, ano dos próximos jogos, que serão disputados no Rio de Janeiro, a CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos), recorre a naturalização de jogadores estrangeiros. A seleção já conta com o técnico sérvio Mirko Blazevic e deve ter em seu plantel sete jogadores naturalizados.

Outro reforço quase certo, é Felipe Perrone, que defendeu o Brasil até 2004. Na época, ganhar dinheiro como jogador de polo aquático, o ”esporte secreto”, como chamam seus praticantes, era uma utopia. Por isso, o carioca aceitou o convite para defender a Espanha, país da avó, assim como já havia feito seu irmão Kiko.

 

Imagem

(Foto: Divulgação – Felipe Perrone em ação pela Espanha)

 

Felipe voltou ao Brasil no início do ano, para disputar a Liga Nacional, pelo Fluminense. O clube carioca contou com a ajuda do Banco BNY Mellon para repatriar o jogador, considerado um dos melhores do mundo na atualidade.

Todos os jogadores, incluindo Perrone, vão participar da Liga Nacional e definiram que até dezembro, vão decidir se defendem seleção brasileira ou se permanecem em suas seleções atuais.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s